Bruno Tolentino

Poema 109 de Bruno Tolentino: truques inusitados num poema natural ou “a paz de um Céu tão fácil de perder”

Não permitas, Senhor, que a minha carne se confunda outra vez e eu me atrapalhe e caia como cartas de baralho o…